segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Bicentenário da Batalha do Bussaco



Nos próximos dias 25 e 26 do corrente mês de Setembro vai realizar-se na Mealhada mais uma importante comemoração alusiva às chamadas Invasões Francesas (3ª Invasão): o Bicentenário da Batalha do Bussaco.

Como todos sabem, esta batalha constituiu a verdadeira a prova de fogo do Exército Português. Até essa altura era incerto o valor das nossas tropas e o comandante do Exército Luso-Britânco (general Arthur Wellesley, mais tarde 1.º Duque de Wellington) tinha algumas dúvidas acerca do respectivo valor em combate perante o experiente e numeroso (cerca de 60.000 homens) Exército Francês sob o comando do general André Massena, que no ano de 1810 tinha, de novo, invadido o território nacional.

Convém recordar que na sequência da 1ª Invasão Francesa (protagonizada pelo general Jean-Andoche Junot, no Outono de 1807) o Exército Português tinha sido completamente desorganizado. As melhores tropas ingressaram na Legião Portuguesa e passaram combater sob as ordens do Exército Imperial Francês, fora da Peninsula Ibérica. As tropas remanescentes foram licenciadas. O melhor equipamento existente foi apreendido e o restante destruído.

Sob as ordens de Beresford (William Carr Beresford, nomeado Comandante-em-Chefe do Exército Português no ano de 1809) iniciou-se um acelerado processo de re-equipamento, recrutamento e de treino, com vista a criar uma estrutura operacional capaz de contribuir para a defesa do território e da soberania nacionais.

É de sublinhar que esta operação envolveu um custo considerável, como penso deve ser fácil de deduzir, o qual foi na quase totalidade suportado pela Coroa Inglesa. É um facto que por esta via Inglaterra estava também a defender os seus interesses estratégicos. Mas também é um facto inelutável o de que, caso na altura a Inglaterra  não estivesse disposta a contribuir para essa causa - que era a nossa - mais ninguém estava disposto a fazê-lo e a Nação Portuguesa estaria condenada a suportar um jugo muito pesado, sem poder reagir.

Esta dívida não está, nem nunca deve ser esquecida.

E foi assim que se chegou à Batalha do Bussaco, naquele memorável dia de 27 de Setembro de 1810. Nesse dia os soldados Portugueses provaram o seu valor no campo de batalha e mostraram ao Comando Inglês que eram uma força a ter em conta e com que se podia contar na defesa do território nacional e não só. Aliás, as tropas Portuguesas estiveram presentes em todas as principais batalhas subsequentes, incluindo a realizada em Toulouse (10 de Abril de 1814), em França, apelidada a última batalha da Guerra Peninsular.

É também por estas razões que, mais uma vez, os recriadores históricos nacionais irão também marcar presença em mais esta comemoração. Será um evento mais modesto do que o realizado há pouco tempo em Almeida, por várias razões que aqui não importa relatar, mas de grande significado cultural e histórico, a que valerá a pena assistir.

PC